“Cristo não pode estar dividido”

“Cristo não pode estar dividido” Roma (Itália). Uma frase de uma carta do apóstolo Paulo aos Coríntios “Cristo não pode estar dividido”, e a palavra “Insieme” foram escolhidas como fio condutor da semana de 18 a 25 de janeiro, para promover e reforçar a unidade dos cristãos.
Este tema o encontramos no documento de decisiva perspectiva pastoral que é o Evangelii Gaudium do Papa Francisco, que, entre outras coisas, escreve: «Considerando a gravidade do contra testemunho da divisão entre cristãos, especialmente na Ásia e na África, a busca de caminhos de unidade se torna urgente. Se nos concentrarmos nas convicções que nos unem e lembrarmos do princípio da hierarquia das verdades, poderemos caminhar de modo ágil rumo a formas comuns de anúncio, de serviço e de testemunho.   A imensa multidão que não acolheu o anúncio de Jesus Cristo não pode deixar-nos indiferentes».

Na realidade, como Paulo nos faz entender na primeira Carta aos Coríntios, o risco da fragmentação entre os que crêem, batizados em nome de Jesus Cristo, está presente desde os inícios.  A divisão das igrejas tem raízes históricas e culturais,  mas no fim, todas se reduzem a uma deformação da fé cristã.  Somente Jesus Cristo, com sua morte de cruz, como ato extremo de amor, une todos os seres humanos entre si e  com Deus.  Durante a Semana rezaremos pela unidade dos cristãos. As Igrejas e as comunidades eclesiais se lembram juntas de que Cristo é o único fundamento, e somente aderindo a Ele e vivendo seu único Evangelho podem encontrar a unidade plena e visível entre si. 

Fundamentar nossa vida em Cristo, portanto, significa ser uma só coisa com Ele,  pensar como Ele pensa, querer o que Ele quer,  viver como Ele viveu.  Mas como fundamentar-nos, radicar-nos sobre Ele?   Como tornar-nos uma só coisa com Ele?  Vivendo o Evangelho.  Jesus é o Verbo, ou seja a Palavra de Deus encarnada.  E se Ele é a Palavra que assumiu a natureza humana,  nós seremos verdadeiros cristãos se formos homens e mulheres que baseiam sua vida na Palavra de Deus.  Se vivermos suas palavras,  melhor, se sua palavras nos fazem viver,  a ponto de sermos “Palavras vivas”,  seremos um com Ele,  nos inserimos nele;  já não vive mais o eu ou o nós, mas a Palavra,  em todos.  Poderemos pensar que vivendo assim estaremos contribuindo para que a unidade entre os cristãos se torne realidade.   

Juntos’  para promover o diálogo e o encontro: «Uma atitude de abertura na verdade e no amor deve caracterizar o diálogo com os crentes das religiões não cristãs,  apesar dos vários obstáculos e das dificuldades,  especialmente os fundamentalismos de ambas as partes.  Este diálogo interreligioso, lembra o Papa, é uma condição necessária para a paz no mundo, e, portanto, é um dever para os cristãos, como para as outras comunidades religiosas».  O diálogo deve ser, em primeiro lugar, uma conversação sobre a vida humana e,  simplesmente, uma atitude de abertura, partilhando alegrias e preocupações.  Assim se aprende a aceitar os outros no seu modo diferente de ser, de pensar, de se expressar.  O compromisso pela unidade, que facilite o acolhimento de Jesus Cristo, deve transformar-se em um imprescindível caminho de evangelização! 

Escrever comentário
Não há comentários a esta entrada.
Seja o primeiro a comentar!

OK Su questo sito NON utilizziamo cookie di profilazione, ma solo cookie tecnici e/o per il monitoraggio degli accessi. Se vuoi saperne di più clicca qui. Cliccando sul pulsante OK presti il consenso all'uso di tutti i cookie.