Amiga dos pobres

Amiga dos pobres

No dia 7 de julho a Igreja lembra a Beata Maria Romero Meneses, Filha de Maria Auxiliadora, nascida em Granada, na Nicarágua, em 1902 e viveu em San José de Costa Rica até 1977.
“O próprio Jesus se aproximou e começou a caminhar com eles” (Lc 24,15). Como os discípulos de Emaús, a beata Maria Romero soube reconhecer a presença viva de Deus na Igreja e, vencendo dificuldades e medos, foi testemunha entusiasta e corajosa diante do mundo. 

Ir. Maria Romero foi uma alma vulcânica, como a sua terra natal, Nicarágua, a terra dos quarenta vulcões.  Uma mulher nascida em uma família abastada e que se impunha ( seu pai foi também ministro da fazenda), que se doou inteiramente aos mais pobres entre os pobres, com uma confiança total na Providência.  Crescida em uma família cristã, desde a infância se sentiu apóstola entre seus coetâneos, mas foi na Costa Rica que Maria descobriu, de modo decisivo e perurbador, a verdadeira condição dos pobres, e decidiu dedicar-se a eles, sem reservas.

Com sensibilidade evangélica e eclesial conquistou para sua ânsia apostólica as jovens alunas, que se tornaram «missionárias» (misioneritas) nos arrabaldes da Capital, entre crianças abandonadas e famílias paupérrimas.  Os próprios adultos, pessoas abastadas do meio empresarial e profissionais de renome, foram conquistados pela sua devoção mariana, que alcançou graças estrepitosas; e assim se comprometeram a colaborar de fato com as iniciativas assistenciais que Ir. Maria, sob a ação do Espírito, projetou, com a audácia da mais autêntica fé na Providência.
Para seus pobres Ir. Maria realizou primeiro visitas médicas gratuitas, graças à obra voluntária de médicos especialistas, e depois, com a colaboração de industriais do lugar organizou cursos de preparação profissional para moças e mulheres.  Em pouco tempo deu vida a um poliambulatório, com várias especialidades, para assegurar assistência médica e farmacêutica para muitas pessoas e famílias carentes de qualquer segurança social.  Ao mesmo tempo providenciou instalações adequadas para receber os pacientes, às vezes famílias inteiras, além de salas para a catequese e a alfabetização no tempo de espera;  depois a capela, um jardim, e até mesmo uma varanda com canarinhos.
Para as famílias sem teto, muitas vezes reduzidas a uma vida precária debaixo de pontes da periferia, fez construir casinhas «de verdade», confortáveis e com as cores de um minúsculo jardim, com o objetivo de recuperar almas amarguradas, restituir dignidade a vita embrutecidas pelo abandono, abrindo o coração a horizontes de verdade, de esperança e de nova capacidade de inserção social.  Surgiram assim as cidadelas de Maria Auxiliadora: uma obra que continua ainda hoje, graças ao empenho de seus colaboradores através da Associação leiga Asayne (Asociación Ayuda a los Necesitados).

Entre as muitas obras e uma sua peculiar atividade de conselheira espiritual (cada dia, horas e horas empenhamdo-se em encontros pessoais, as assim chamadas consultas) encontrou espaços e momentos de uma intensa vida mística, que foi a fonte do apostolado de Ir. Maria.  De sua iniciativa nasceram os oratórios, a dezenas, a Casa da Virgem, sempre aberta às necessidades materiais e espirituais dos marginalizados, a Obra Social Maria Auxiliadora, a «cidadela» e a Associação de Ajuda aos Necessitados...
A vida de Ir. Maria foi também caracterizada pela oração, obediência, prodígios (como a água de Nossa Senhora, uma jarra tendo dentro um punhado de medalhinhas de Maria, para os seus pobres que não podiam certamente ir a Lourdes!), e por um amor forte a Jesus Eucaristia.
O seu ideal foi “amar profundamente a Jesus, «seu Rei» e difundir a devoção juntamente com aquela de sua divina Mãe.  A sua maior alegria foi a possibilidade de aproximar da verdade evangélica as crianças, os pobres, os sofredores e os marginalizados.  A recompensa a seus sacrifícios, mais desejada, foi ver reflorescer a paz e a fé em uma vida «perdida».   
Fez-se «toda a todos» e esquecida de si, para conquistar sempre novos amigos a seu Jesus, gastou-se até o último de seus dias, o primeiro em que se decidiu tomar um pouco de descanso.
Ir. Maria morreu no dia 7 de julho de 1977.
Enquanto admiramos seus exemplos de santidade, esforcemo-nos para seguir seus passos, para sermos, por nossa vez, testemunhas corajosas do Evangelho.

Escrever comentário
2 comentários
18/07/2014 18:21:12 - Sr.Lydia Komuhra

Dear Sr. Maria Romero, thank you for setting a beautiful path of Salesian sanctity through your life, filled with love for Jesus in the Holy Eucharist and Mary, most holy. From it sprang your passionate love for the most needy and the poor manifested through your deep apostolic zeal. May we too grow day by day in the love of Jesus and Mary and so dedicate ourselves unreservedly for the cause of the poor and the most needy. Help us in all our spiritual and temporal needs, for God's glory and the salvation of souls.

07/07/2014 17:17:25 - Sr Rose Bejjani

Grazie Sr Maria per la tua vita donata tutta ai poveri e a Dio. Aiutami a seguire il tuo esempio e non cercare il mio intersse ma quello dei giovani più poveri e di chi mi sta accanto giorno dopo giorno e saper come te fissare lo sguardo solo e solamente su Gesù e Maria.Sr Maria Romero intercede per noi Dio affinche` conceda la pace al mondo e al MOR. Amen


OK Su questo sito NON utilizziamo cookie di profilazione, ma solo cookie tecnici e/o per il monitoraggio degli accessi. Se vuoi saperne di più clicca qui. Cliccando sul pulsante OK presti il consenso all'uso di tutti i cookie.